Ejaculação Retardada

Por Flávio Pereira

A característica específica da Ejaculação Retardada é o retardo acentuado ou incapacidade de atingir a ejaculação. Há uma dificuldade ou incapacidade para ejacular que envolve atividade sexual com parceira(o).

Um dos sintomas abaixo deve ser experimentado em quase todas ou em todas as ocasiões (75 a 100%) da atividade sexual com parceira (o), sem que o indivíduo deseje o retardo:

1. Acentuado retardo na ejaculação.
2. Marcante baixa frequência ou ausência de ejaculação.

Os sintomas da Ejaculação Retardada persistem por um período mínimo de +/- seis meses.
Os sintomas causam sofrimento significativo ao indivíduo.
A Ejaculação Retardada não é mais bem explicada por:
Um transtorno mental não sexual.
Como consequência de uma grave perturbação do relacionamento ou de outros estressores.
Efeito de alguma substância/medicamento.
Outra condição médica.

Características a serem observadas na Ejaculação Retardada:

A perturbação esteve presente desde que o indivíduo se tornou sexualmente ativo.
A perturbação iniciou depois de um período de função sexual relativamente normal.
Pode ser:
Generalizada: não se limita a determinados tipos de estimulação, situações ou parceiros. Situacional: ocorre somente com determinados tipos de estimulação, situações ou parceiros.

Gravidade atual:
Sofrimento leve.
Sofrimento moderado.
Sofrimento grave.

Faz-se o diagnóstico a partir do relato do indivíduo e ou sua companheira (o).
A definição de “retardo” não apresenta limites exatos. Não há consenso sobre o que seria um tempo ideal para atingir o orgasmo ou o que é um tempo longo para a maioria dos homens e para suas parceiras (os).

Há relatos sobre tentativas de atingir o orgasmo a ponto de causar exaustão ou desconforto genital.
Alguns homens evitam a atividade sexual em razão da dificuldade para ejacular.
Parceiras sexuais podem relatar que se sentem menos atraentes porque o parceiro não consegue ejacular com facilidade.

Cinco fatores devem ser considerados na Ejaculação Retardada.  Cada um desses fatores pode contribuir de maneiras distintas para os sintomas apresentados por diferentes homens.

1) Relacionados à parceira: problemas sexuais, estado de saúde.
2) Associados à comunicação inadequada, discrepâncias no desejo para atividade sexual.
3) Relacionados a vulnerabilidade individual: má imagem corporal, história de abuso sexual ou emocional, comorbidade psiquiátrica (sofre também de depressão, ansiedade) ou estressores (perda de emprego, luto).
4) Culturais ou religiosos: proibições de atividade sexual ou prazer, atitudes em relação à sexualidade.
5) Doenças em geral.

A Ejaculação Retardada inicia com as primeiras experiências sexuais e continua durante a vida toda ou inicia depois de um período de função sexual normal.

Permanece relativamente constante até os 50 anos de idade, quando a incidência começa a aumentar de forma significativa. Homens na faixa dos 80 anos relatam duas vezes mais a dificuldade para ejacular em comparação àqueles com menos de 59 anos.

A perda de nervos sensoriais periféricos de condução rápida e a redução na secreção de esteroides sexuais, ambas relacionadas à idade, podem estar associadas ao aumento da Ejaculação Retardada em homens com mais de 50 anos.

As queixas sobre Ejaculação Retardada variam de acordo com o país e a cultura. São mais comuns nas populações asiáticas, do que na Europa, na Austrália ou nos Estados Unidos. A variação pode ser atribuível às diferenças culturais ou genéticas entre as culturas.

A ejaculação retardada está associada a sofrimento psicológico considerável em um ou em ambos os parceiros.

Homens conseguem ejacular durante a atividade sexual com parceiro de um sexo, porém não do outro. Conseguem ejacular com um parceiro, mas não com outro do mesmo sexo. Homens com padrões parafílicos de excitação.  Homens que precisam de uma atividade altamente ritualizada para ejacular em uma atividade sexual com parceiro.
Doença médica ou lesão podem produzir retardo na ejaculação independentemente de questões psicológicas.

A incapacidade para ejacular pode ser causada pela interrupção no suprimento nervoso para os órgãos genitais, como pode ocorrer depois de lesão cirúrgica traumática nos gânglios simpáticos lombares, cirurgia abdominoperitoneal ou simpatectomia lombar.

Inúmeras doenças neurodegenerativas, como esclerose múltipla e neuropatia diabética ou alcóolica, podem causar incapa- cidade para ejacular.

Inúmeros agentes farmacológicos, como antidepressivos, antipsicóticos, medicamentos alfa simpáticos e opioides, podem causar problemas ejaculatórios.

É importante verificar se a queixa diz respeito a ejaculação retardada, sensação de orgasmo ou a ambas. A ejaculação ocorre nos órgãos genitais, enquanto se acredita que a experiência de orgasmo seja principalmente subjetiva.
Em geral, ejaculação e orgasmo ocorrem ao mesmo tempo, mas nem sempre.
Por exemplo, um homem com padrão ejaculatório normal pode se queixar de prazer diminuído (i.e., ejaculação anedônica). Esse tipo de queixa não seria codificado como ejaculação retardada, porém poderia ser codificado como outra disfunção sexual especificada ou disfunção sexual não especificada.

Existem algumas evidências indicando que a Ejaculação Retardada é mais comum em formas graves do transtorno depressivo maior.

Resumo do DSM V - Manual Diagnóstico e Estatístico de Transtornos Mentais

O tratamento psicológico para a Ejaculação Retardada é feito com a Terapia Cognitivo Comportamental.

Comente este texto!






Voltar para o Topo

Psicólogo Flávio Roberto Pereira

Sobre Flávio Pereira