Personalidade “O bem sucedido”

Por Flávio Pereira

você é bem-sucedido

Realiza compulsivamente, busca status e imagem pessoal.
Orientado para a capacidade de agir e triunfar.


Pontos positivos: dinâmico. Alegre. Eficiente. Organizador. Planejador.
Vitalidade. Automotivado. Prático. Poder pessoal. Motivador. Comunicativo.
Competência. Dedicado. Trabalha muito para o sucesso. Empreendedor.
Supera problemas com facilidade. Otimista. Realizador. Confiante.
Orientado para obter resultados. Incansável e persistente ao perseguir um objetivo. Concentrado no que faz.

Pontos negativos: competitivo ao extremo. Egocêntrico. Pretensioso. Superficial. Impessoal. Espírito vingativo. Falsidade. Oportunista. Pouco acessível. Pouco tempo para os relacionamentos pessoais. Envolve-se em muitas atividades e tem pouco tempo livre. Abrupto ou precipitado. Esconde os sentimentos mais profundos. Impaciente com os sentimentos dos outros. Perde contato com os próprios sentimentos. Exprime pouco as verdadeiras emoções. Tem medo da intimidade. Falta de princípios. Ilusão.

Viciado em trabalho. Vaidosos sobre o que fazem. Gosta de ser apreciado pelo trabalho, status e conquistas. Adora a imagem de vencedor e ser reconhecido. Acredita que o valor pessoal depende do que se faz e conquista. Evita ao máximo o fracasso e supervaloriza o êxito. Centrado no prestígio social. Mestre em mudar a imagem (camaleão), para se adequar às pessoas ao seu lado e ganhar aprovação. Enganam a si e aos outros com os diferentes papéis que assumem. Frio, calculista, manipulador, dissimulado. Obsessivo por resultado. Estressa quem está ao seu redor. Centrado na ação e planejamento. Acha difícil relaxar e se sente mal não fazendo nada. Quando estressado abusa do que gosta: bebidas, futebol, drogas, etc. Encontra dificuldades nos relacionamentos íntimos porque vive estressado. Egoísta, oportunista, cria imagens e atitudes para atrair os outros. Trata o outro com desprezo e arrogância.  Vê a si e o outro como mercadoria. Ele e o outro vale pelo que tem e não pelo que é. O fator sucesso profissional quase sempre é o centro das atenções, mais do que família, amizades ou lazer. Toma decisões por impulso pressionado por alcançar resultados. Duro e competitivo quando se sente ameaçado. Gosta de falar sobre suas conquistas para ser admirado. Geralmente está ausente do meio familiar e longe dos amigos porque trabalha arduamente. Tem problemas nos relacionamentos porque são muito ambiciosos. Gosta de ser o melhor: “posso fazer isso melhor que qualquer um”. Pretensioso: “posso ser qualquer coisa que queira”. Arrogante: “Não preciso de ninguém.” Narcisismo e exibição: “o que posso fazer para impressioná-lo”. Busca imagem social reconhecida.

Temendo não ter a atenção do outro, tenta superar-se no que faz para distinguir-se. Concentra-se no sucesso e em cultivar a melhor imagem pessoal para ser admirado. Procura convencer a si mesmo e aos outros da realidade das suas alegações recorrendo à autopromoção, arrogância, competitividade, como defesa de suas carências secretas. Temendo não estar à altura da sua própria expectativa e para salvar a auto-imagem ilude a si e aos outros, dizendo e fazendo qualquer coisa para impressionar, faltará com os bons princípios, depois se sentirá vazio e deprimido. Desesperado por atenção, deteriorado interiormente, faz de tudo para esconder suas malfeitorias, perde o controle sobre a raiva e a agressividade, vinga-se, tenta pisar em todos que ele acredita que o rejeitou.

Forte identificação: com uma auto-imagem criada e artificial, para receber admiração dos outros.
O que valoriza: ser eficiente, capaz e brilhante. Concentrar-se em metas, ser prático, direto e apresentar-se muito bem.
Como lida com os sentimentos: reprimindo-os e fazendo esforço para manter-se em atividade. Ao realizar coisas compensa sentimentos dolorosos.
Resistência: ao reconhecimento de sentimentos de vazio e de auto-rejeição.
Tenta manter a auto-imagem de: admirável, desejável, atraente, incomparável, eficiente, dotado de “potencial ilimitado”.
Medo fundamental:
o de não ser valorizado a não ser pelo que realiza; de estar fracassando, de que suas pretensões sejam vazias e infundadas.
Desejo fundamental:
sentir-se valorizado, desejado e aceito.

Mensagem do superego (juiz interno): “você estará num bom caminho se for bem-sucedido e respeitado pelos outros”.
Dúvidas cruéis e sofrimento: o que me faz pensar que uma determinada atividade aumentará o meu valor? Por que preciso fazer tantas coisas para me sentir valorizado? Quanto eu preciso fazer para ganhar a apreciação dos outros? Quanto precisarei ser “bem-sucedido”?
Como manipula os outros:
cativando os outros e adotando qualquer imagem que “funcione”.
Regra de chumbo:
temendo não valer nada, faz o outro sentir-se desvalorizado tratando-o com arrogância ou desprezo.

Sentimento forte (paixão), vício emocional: cultiva a falsidade, a mentira, a vaidade e a ilusão. A ilusão consiste em apenas pensar que somos a imagem, em vez da nossa verdadeira natureza.  A vaidade é o sentimento de fazer a imagem ser mais importante que a essência ou fonte espiritual.
Compulsão:
evitar o fracasso. Estressado por conquistar o melhor status, busca o sucesso fácil pelo uso da mentira em relação aos outros. A mentira pode também ser uma mentira frente a ele mesmo: ignora seu ser real, assumindo um ou vários papéis sociais. Não está consciente de que engana a si próprio.
Mecanismo de defesa: identificação.
Para alcançar o sucesso e preservar a imagem de “bem sucedido”, identifica-se com as normas sociais e com o papel que representa, agindo como camaleão e oportunista.
Potencial patológico:
estafa e esgotamento físico devido à obsessão por resultados e a hiperatividade; falta de sentimentos e vazio interior; ocultação do grau de aflição emocional; ciúme, inveja e expectativas irrealistas de sucesso, exploração, mentiras e oportunismo; episódios graves de raiva e hostilidade; distúrbio narcisista de personalidade, depressão, afã de vingança, comportamento psicopático, pisam em todos aqueles que acreditam serem “ruins”. Crise de identidade violenta e dolorosa.
Tipo sadio:
deixa de acreditar que seu próprio valor depende da opinião dos outros; descobre sua própria identidade, que tem valor em si mesmo (autenticidade) e o desejo do seu coração; lembra que sua verdadeira natureza é ter prazer na própria vida, estimar e valorizar as pessoas. Torna-se mais cooperativo e dedicado aos outros. Adapta-se às pessoas de forma despretenciosa. É bem ajustado. Cultiva os próprios dons. Torna-se modelo e fonte de inspiração para os outros.

Pensamento e ação curativa: desenvolvem a virtude da sinceridade. Reconhece o que deseja a partir de si e não por meio da admiração dos outros.
Reflexão: talvez eu não tenha de ser o melhor. Talvez as pessoas me aceitem do jeito que eu sou. Talvez o que pensam a meu respeito não seja tão importante.

Pensamentos do tipo; processador inconsciente:

“Os fins justificam os meios”.
“Se os ventos mudaram, ajuste as velas”.
 

Profissões / atividades atraentes: áreas em que haja possibilidades de crescimento. Advocacia, administração, autônomos, consultoria e assessorias. Negócios próprios. Gerência. Vendas. Publicidade. Marketing. Política. Profissões onde possa se sobressair.

Profissões / atividades não atraentes: Profissões com futuro limitado. Ambientes onde não possam empreender.

 

Comente este texto!






Voltar para o Topo

Psicólogo Flávio Roberto Pereira

Sobre Flávio Pereira