Transtorno Explosivo Intermitente

Por Flávio Pereira

Transtorno Explosivo Intermitente Transtorno Explosivo Intermitente

Transtorno Explosivo Intermitente são episódios de fracasso em resistir a impulsos agressivos, causando atos sérios agressivos ou a destruição de propriedades.

O grau de agressividade é muito desproporcional a qualquer provocação ou estressor psicossocial desencadeante.

Os episódios agressivos não são efeitos fisiológicos de substância (drogas, medicamentos) ou de uma condição médica (por ex., traumatismo craniano, doença de Alzheimer).

A pessoa pode relatar os episódios agressivos como “ataques” ou “surtos”. O comportamento explosivo é precedido por um sentimento de tensão ou excitação, sendo seguido por uma sensação de alívio.

O indivíduo pode depois sentir remorso, arrependimento ou embaraço pelo comportamento.

Pessoas com traços obsessivos, narcisistas, paranóides ou esquizóides podem estar propensas a ter surtos explosivos, quando sob estresse.

O transtorno pode resultar em dificuldades com relacionamentos interpessoais, divórcio, perda do emprego, suspensão escolar, acidentes, hospitalização (por ferimentos sofridos em lutas ou acidentes) ou detenções legais.

O Transtorno Explosivo Intermitente ocorre da adolescência à terceira década de vida.

O comportamento agressivo pode ocorrer no contexto de muitos outros transtornos mentais.

Descarta-se no diagnóstico do Transtorno Explosivo Intermitente outros distúrbios mentais que poderiam explicar o comportamento agressivo, como o Transtorno da Personalidade Anti-Social, o Transtorno Psicótico, o Transtorno da Personalidade Borderline, o Episódio Maníaco, o Transtorno da Conduta ou Transtorno de Déficit de Atenção/Hiperatividade).

O Transtorno Explosivo Intermitente deve ser considerado apenas depois que todos os demais distúrbios associados com impulsos ou comportamentos agressivos foram descartados.

Exemplo: se o comportamento agressivo ocorre exclusivamente durante o curso de um delirium, um diagnóstico de Transtorno Explosivo Intermitente não é dado.

O Transtorno Explosivo Intermitente deve ser diferenciado de uma Alteração da Personalidade devido a uma Condição Médica Geral. Exemplo: um indivíduo que sofreu lesão cerebral por um acidente de carro e subseqüentemente manifesta uma alteração da personalidade, caracterizada por surtos agressivos.

Ataques agressivos também podem ocorrer em associação com intoxicação por substância ou abstinência de substância, como álcool, cocaína, barbitúricos e inalantes.

Se o comportamento agressivo é explicado melhor como um aspecto diagnóstico ou associado de outro transtorno mental, não é dado um diagnóstico separado de Transtorno Explosivo Intermitente.

Um comportamento agressivo pode ocorrer, naturalmente, quando nenhum transtorno mental está presente.

Comente este texto!






Voltar para o Topo

Psicólogo Flávio Roberto Pereira

Sobre Flávio Pereira